Procura leitura para o seu fim de semana?

Siga os links e fique a saber o que os(as) Fulbrighters escreveram ou disseram ao longo dos últimos dias:

Raquel Vaz-Pinto, SUSI scholar em U.S. Foreign Policy na Bard College, EUA, e Investigadora do Instituto Português de Relações Internacionais-Universidade Nova, refletiu sobre o que é afinal o ‘populismo’: «Como se distingue do fascismo e da demagogia? Quem foram os grandes populistas da história cuja marca nos faz recear os que vemos surgir nos dias de hoje?» Não perca a conversa, «uma viagem que começa na antiguidade e atravessa períodos significativos da História da Humanidade», no mais novo podacast da Fundação Francisco Manuel dos Santos, [IN]pertinente.

João Carlos Espada, alumnus do Salzburg Seminar in Journalism e Professor Catedrático de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa, examinou seis revoluções da era moderna e os seus principais contrastes: a inglesa de 1688, a americana de 1776, a francesa de 1789, a portuguesa de 1820, a brasileira de 1889, e a russa de 1917. Quais as mais “ardentes” e que entendimento tiveram de “liberdade”? Siga-lhe o raciocínio.

Luís Cabral, doutorado pela Stanford University, visiting scholar no Departamento de Economia de Boston University, EUA, Professor da Universidade de Nova Iorque e da Aese,  na sequência dos apelos internacionais à suspensão dos direitos de patente referentes às vacinas contra a COVID-19, refletiu sobre a logística das vacinas e de como esta vai muito além das patentes: «A patente é como uma receita, e como qualquer cozinheiro sabe, cozinhar é mais do que saber as quantidades de cada ingrediente.»

Ana Bárbara Pedrosa, SUSI student em Civic Activism na Drexel University, EUA, Editora e Tradutora, na sua crónica bem-humorada escreveu sobre o reencontro com a avó nonagenária: «Quando a pandemia começou, os meus amigos temiam perder os avós. Eu temia ter de aturar a minha. Não é que as circunstâncias apontassem para aí, mas o medo é uma sombra que não larga. Fechada em casa, pensava que, pelo menos, não estava com ela. Sem poder ir a lado algum, pensava que pelo menos também não ia à casa dela.»

Ana Luísa Amaral, visiting scholar na Brown University, EUA, Professora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Poetisa e Tradutora, foi distinguida esta semana com o ‘Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana’, atribuído pelo Património Nacional Espanhol e pela Universidade de Salamanca. O prémio Rainha Sofia distingue a obra poética de um autor vivo cujo contributo para o património cultural do espaço ibero-americano seja significativo. A Fulbrighter já tinha sido finalista desta distinçãopor duas vezes e tornou-se agora a terceira autora portuguesa a receber o prémio. Ricardo Rivero, reitor da Universidade de Salamanca, enfatizou a forma como a autora “personifica alguns dos melhores valores ibéricos e ibero-americanos (…): a defesa da liberdade, a dignidade da pessoa e a equidade de género.”.

Bruno Guerreiro, doutorando do curso de Biologia da Universidade Nova de Lisboa, foi convidado do podcast Unexpected Data para pensar em voz alta sobre o seu trabalho em torno da criopreservação, pesquisa que irá desenvolver ao abrigo de uma Bolsa Fulbright para Investigação com o apoio da FCT na University of California, Berkeley, já a partir do próximo mês de setembro. Oiça a conversa, ‘My Story – Afterlife AI & Data In The Frozen World With Bruno Guerreiro: «falámos desde a fantasia de desafiar a morte com o congelamento eterno, da vida para lá da morte, se sonhamos durante o criosono e a transferência de consciência, dos desafios de um investigador na área STEM, até à forma como podemos automatizar certas atividades científicas com Artificial Intelligente e Data Science, de mudar um pouco o paradigma, e de Berkeley como o berço da criopreservação.» Ficou curioso(a)?

Ana Maria Evans, mestre em Relações Internacionais pela University of San Diego, California, doutorada em Governança e Políticas Públicas pela Georgetown University, Washington D.C., e Chief Innovation Officer no IPS: Innovative Prison Systems, em colaboração com mais dois autores, escreveu “The state as a large-scale aggregator: statist neoliberalism and waste management in Portugal”, artigo que faz parte da coletânea Capitalism in Crisis? The European Periphery and Emerging Economies, acabada de editar pela Routledge: «This book theorises and analyses the evolving nature of capitalism in emerging economies (the BRICs) and the European periphery in the face of pressures from globalisation and economic crises.». Já está na nossa wishlist!

Partilhar: